segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

O jovem cristão e o namoro (Pr. Clodoaldo Machado) – Parte 4

Transcrição da Palestra: O Jovem Cristão: A Vida Espiritual e o Namoro, Sete Vezes no Dia eu Te Louvo - Pr. Clodoaldo Machado (4 ª Edição da Conferência Fiel para Jovens - Ano 2006).

*Algumas modificações feitas por mim para melhorar a leitura.



Romanos, capítulo 12, versículos 1 e 2 vão dizer: “Rogo-vos, pois, que apresenteis vossos corpos por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente”. Agora, vamos pensar aqui. É um versículo tão bonito, né? A gente lembra dele de cor. Agora, o que é sacrificar o corpo? O corpo significa os nossos sentimentos naturais, que desagradam a Deus, que são egoístas. É isso! Eu tenho que sacrificar isso. Veja bem: pode acontecer de um rapaz crente ficar apaixonado ou gostar de uma moça incrédula? Pode acontecer? “Ó, pastor, graças a Deus nunca aconteceu comigo, né? Porque eu sou uma pessoa santa!”. Claro que pode acontecer! O camarada tá gostando de uma moça que é incrédula! Mas o simples fato dela ser incrédula já é o suficiente pra “Sacrifica isso! Não caminha nessa direção!”. O culto é racional. A tua razão diz o quê? A minha razão diz que é pra eu não me pôr em jugo desigual, porque que comunhão há entre a luz e as trevas? É isso que a minha razão diz. Mas o meu sentimento diz assim: “Rapaz, olha que moça! Você não ta apaixonado por ela? Corra atrás!”. Mas a razão diz “Não!”. Então você vai obedecer quem? Por isso que o apóstolo Paulo diz: “Vejo nos meus membros a lei do pecado, mas na minha consciência a lei do espírito. Quem eu vou obedecer?”. Por isso ele vai dizer aqui: “Andai em espírito e jamais satisfareis as concupiscências da carne, porque a carne milita contra o espírito e o espírito contra a carne, porque são opostos entre si”. O problema é que nós andamos na carne! A carne não quer dizer “que não pense em relações sexuais ilícitas”. Não. É satisfazendo os sentimentos. [...]


Ao encontrar-se com Cristo, o servo de Deus é capacitado a viver racionalmente, e não sentimentalmente. Então, você pode conviver com os outros, você pode amar os outros, porque você não depende daquilo que você sente. Porque Deus ta fazendo você voltar ao que Ele havia colocado em Adão antes da queda: alguém capaz de obedecer. Deus disse pra Adão: Não coma do fruto que está no meio do jardim! [...] Obedeça! Deus nos deu essa capacidade, de obediência, de obedecer. Então, o crente não precisa mais tomar decisões baseado no sentimento. E, quanto ao casamento, que é uma decisão importante, ela deve ser tomada racionalmente. Ele deve pensar, deve raciocinar. Não importa se ele ta apaixonado ou se ele não ta. “Ih, pastor!”. Mas é verdade. O que importa é o que ele acredita racionalmente, não o que ele ta sentindo. Você não pode ser escravo do seu sentimento, ok? Você tem que ser racional. Então, as nossas decisões têm que ser tomadas racionalmente. Agora, é interessante que, pras outras coisas, a gente toma racionalmente. [...]


Agora, os namoros são comumente baseados no que se sente. Não há análises racionais um do outro. [...] “Quanto tempo vai durar esse namoro?”. Parece promoção do calçadão: “Enquanto durar o estoque”. O estoque de sentimento, porque a hora que acabar o sentimento, o namoro acaba. Irmãos, o amor é racional ou é sentimental? [...] O outro pergunta assim: “Será que vai dar em casamento?”. Aí diz assim: “Só Deus sabe!”. Ele não tem certeza de nada, é um tiro no escuro! “Ah, a gente ta vendo!”. Será que Deus quer assim, que estejam “vendo” se vai dar ou se não vai dar? Será que é isso? Será que Deus espera isso de nós? A gente vai comprar o carro e a gente faz o “test driver” né? Será que é assim? Faz o test driver. Será que Deus quer que a gente faça o “Teste do Namoro” pra saber se vai dar certo? Então não é assim!


Eu gostaria que você lembrasse disso: Sansão, ele se apaixonou por uma moça e, ainda que os pais disseram “Não há entre nós uma moça com quem você possa casar”, ele disse “Não! Somente desta eu estou apaixonado!”. Deu tudo errado! Porque ele casou só porque ele tava apaixonado, ele não analisou racionalmente como os pais dele queriam que ele analisasse. Amnom se apaixonou pela própria irmã! E deu no que deu. A Bíblia diz que ele ficou frustrado sexualmente porque ele não podia ter a sua irmã, quando diz lá “ele enamorou-se dela”. E deu tudo errado. E tem um outro exemplo que não é de relacionamento com o sexo oposto, mas envolve o sentimento: Acabe quando quis ter a vinha de Nabote. Deu tudo errado também. Porque ele quis satisfazer os seus sentimentos, só. Não houve análises racionais.


Então, casamento, ele tem que ser baseado na razão. E quando é que começa? Começa hoje, começa agora.

 
“Eu vou amar essa pessoa porque vejo que ela tem características pra ser a minha esposa”. [...]

Vamos orar: “Senhor, nossa gratidão, ó Pai, a Ti, por esse tempo que passamos juntos aqui, Pai, pensando, raciocinando nestas coisas que envolvem o relacionamento com o sexo oposto. Nós sabemos que o Senhor tem planos para isso, sabemos que o Senhor tem princípios que devem reger essas nossas atividades, Senhor, e nós desejamos realmente nos adequarmos a elas, e não criarmos atalhos, criarmos jeitinhos, ó Pai, ao nosso próprio gosto, mas sermos obedientes, fazermos aquilo que o Senhor espera realmente nessa decisão que está entre as decisões mais importantes de nossas vidas, ó Pai – é quando nós vamos nos entregar a uma outra pessoa. Nos ajuda, Senhor, nos dirija, que estas coisas fiquem em nossos corações pra que o Senhor seja glorificado, Senhor, através do relacionamento que haveremos de ter com o sexo oposto, ó Pai, no caso destes jovens. Oramos assim, gratos, no nome do Senhor Jesus. Amém”.

3 comentários:

Paula disse...

Fantástico o texto Aline! Muito obrigada minha irmã! Que Deus abençoe!

Aline Ramos disse...

É verdade, Paula! São palavras que edificaram muito minha vida, e iluminaram meu entendimento a respeito do que é verdadeiramente o amor, e do que deve motivar a união entre duas pessoas cristãs no casamento.

Não deixe de ler as duas partes do próximo texto: O que a Bíblia diz sobre Namoro. É um texto surpreendente!

Deus a abençoe e guie em Sua graça, querida! Beijos!

Adoradora de Cristo disse...

tenho acompanhado todos as partes deste texto!! Excelentes ensinos!! Obrigada por mais uma vez compartilhares.