segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Dias que não são sempre iguais...


A cada dia tenho refletido mais sobre o que quer dizer ser "ser humano".

Quando nos tornamos cristãos, não sei de que forma, mas a verdade é que parece que somos pressionados a viver não mais como humanos, mas como "semi-deuses". E isso é exatamente o que nós não devemos ser!

O mundo, e até mesmo a igreja, nos cobra que sejamos "os seres perfeitos" e que nossas vidas estejam sempre no 100%. E isso é um paradoxo. Porque, na verdade, a Palavra de Deus nos diz para buscar a santidade e a semelhança do Varão perfeito (Jesus). No entanto, ela também nos mostra que o homem nunca deve se esquecer de sua condição humana e de sua total dependência de Deus, o que quer dizer que nunca devemos passar a nos considerar "bons demais" ou "suficientemente bons" (quanto mais perfeitos!).

E, lendo a Bíblia, refletindo sobre as ações de Deus, olhando as coisas acontecendo ao meu redor, vejo o quanto que é necessário que os dias não sejam sempre iguais. É necessário que as estações mudem para que o mundo mantenha-se em equilíbrio. Imaginem o que seria se houvesse apenas o verão? Ou apenas o inverno? Ou mesmo o outono ou a primavera? A verdade é que todos estes tempos são essenciais para a vida neste mundo, e cada um deles tem um propósito a cumprir - que nenhum outro poderia realizar.

Assim são os nossos dias. Assim é nossa caminhada cristã. Algumas vezes eles são tão intensos, animados, cheios de novidades e acontecimentos. Outras vezes são também cheios, mas de tribulações, que parecem surgir de todos os lados, de lutas constantes e ferozes. Outras vezes, ainda, são simplesmente quietos, como se nada saísse do lugar, como se encontrar o sentido das coisas se tornasse o maior enigma do universo.

E assim eles vão passando, como as estações. Nem todos os dias são ensolarados, e por que deveríamos esperar que fossem? Também precisamos da chuva e daquele friozinho gostoso e preguiçoso que ela traz, de suas gotas molhando a terra e cuidando das sementes e plantas. E até mesmo precisamos dos relâmpagos e trovões que o inverno traz: esses que nos fazem estremecer e lembrar do poder de Deus manifesto na natureza, e de nossa pequenez!

E assim é, muitas e muitas vezes, com o sofrimento em nossas vidas também. Por que deveríamos esperar que todos os nossos dias fossem iguais? Que nossa vida fosse feita apenas de ganhos e vitórias (aos nossos olhos)? Não, não é assim. Porque, se assim fosse, com que facilidade passaríamos a acreditar na idéia que nos tornamos "semi-deuses". Não é o que acontece, muitas vezes, quando as coisas só dão certo? Nos tornamos sábios aos nossos próprios olhos. O orgulho aparece e se instala, e achamos que estamos todo tempo certos.

Então, Deus vem e nos quebra. Manda os trovões e relâmpagos, para que lembremos de quem somos, e de quem Ele é! Nos lembrar que precisamos dEle, dependemos dEle e que é somente por Sua graça, Sua misericórdia e benignidade que podemos fazer qualquer coisa boa. Que mal é ao homem achar que é mais do que é: mais sábio, mais conhecedor da verdade, mais justo... achar-se melhor do que os outros. E isso é mais fácil do que imaginamos - e também mais sutil. Lembremos as palavras de Paulo:

"Mas, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte. Por causa disso, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim. Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza." (II Co. 12: 7-9)

Assim é conosco. Quando começamos a querer crescer demais com aquilo que o Senhor tem nos proporcionado, Ele vem e nos traz de volta à nossa fraqueza. Nos leva ao deserto, para parar e repensar. Assumir que somos mesmo fracos e, então, o Seu poder se aperfeiçoa em nós.

É por isso que Paulo pôde concluir, dizendo:

"Eu me alegro também com as fraquezas, os insultos, os sofrimentos, as perseguições e as dificuldades pelos quais passo por causa de Cristo. Porque, quando perco toda a minha força, então tenho a força de Cristo em mim." (II Co. 12:10)

E é por isso que podemos confiar em Deus mesmo quando não há sol, intensidade, flores ou frutos. Quando nossos olhos só vêem nuvens escuras ou quando o tempo simplesmente pára - e com ele, parece que o mundo inteiro também. Deus ainda tem um plano! Mesmo quando o Oleiro quebra o vaso de barro, Ele ainda tem um plano. Ele irá corrigir o que está errado, até ter um vaso perfeito. E, acaso, o barro não deveria agradecer ao Oleiro e descansar em Sua vontade?

Para encerrar, deixo uma música linda, que sempre fala comigo nos momentos de nebulosidades, e que diz: "Não deixe a nuvem te enganar! Pode até chover e eu não ver o sol, mas além das nuvens eu sei que ele está..."

Confiança no Mestre!



3 comentários:

Kesley disse...

Aline suas palavras tão sábias, sempre nos incentivando, nos alertando, nos mostrando a beleza nas nuances do conflito.
Sabe as vezes lemos tantas palavras agressivas contra os absurdos praticados hoje no Cristianismo, qeu as vezes nosso coração se enche de revolta, mas não uma revolta sadia, mas uma revolta que não tempera, que não difere, só critica e critica, ofuscando o brilho do Evangelho.
Como você disse achamos sempre está certos, vamos na onda somos detentor da verdade, a verdade está conosco, quando Deus usa as suas infinitas maneiras para atrair o coração, até dentro do bizarro humano, sua Infinita Misericórdia intervém.
Suas palavras falarm ao meu coração profundamente e isso para Glória do Senhor, como devemos nos guardar até dos elogios que a nós são feitos, porque o coração como Paulo escreveu pode ensoberbecer...é está atento sempre e viver a simplicidade do Cristianismo. Obrigada minha irmã por nos proporcionar essa reflexão!
[acabei escrevendo demais]

Giulia Emily disse...

Olá, eu sou Giulia.
Estava pesquisando algumas coisas no Google e o sistema me trouxe aqui, creio que não foi por acaso.
Suas palavras são muito sábias.
Estou seguindo, me segue também.
Sucesso ao Blog, estarei sempre por aqui!
http://naoanonima.blogspot.com/

Aline Ramos disse...

Hunf. Que engraçado. Escrevi a mesma coisa há uns 2 posts atrás. rs. A diferença é que, pelo que me lembro, escrevi este aqui pensando em situações que amigos meus estavam passando. O outro, mais recente, por estar eu mesma passando por estes momentos em que "o vento para de soprar". rs. Por isso, foi engraçado ler novamente este texto, porque ele falou comigo, aquilo que eu preciso me lembrar. Deus e suas formas maravilhosas de fazer as coisas! =) Ele é incrível mesmo!

[Giulia, seja bem-vinda ao MV! ;] Que bom que o Senhor a trouxe até aqui! Obrigada pelas palavras de ânimo! Deus te abençoe em cada um de seus passos! Passo sim em seu blog pra fazer uma visitinha! Abraços!]