sábado, 29 de maio de 2010

As Mulheres (Anônimas) da História da Igreja



Incrível como várias coisas, durante essa semana, acabaram me direcionando e ministrando na minha vida a respeito desse assunto.

Nesses últimos dias, voltei a ler um livro que trata da história da Igreja e da Reforma Protestante. Na verdade, já há algum tempo venho lendo, ouvindo mensagens e buscando aprender sobre as coisas que Deus tem feito no decorrer da história da igreja Cristã, através da Reforma, dos Avivamentos, e através de grandes homens de Deus e pregadores defensores da fé. Tem sido algo maravilhoso. Viver uma fé sobre a qual conhecemos a história, as lutas em sua defesa, os preços que foram e têm sido pagos, os altos padrões de vida cristã é algo essencial, uma fonte enorme de crescimento quando direcionada pelo Espírito Santo.

E, nesses dias, voltei a ler sobre os reformadores. Estive lendo sobre a vida de Lutero, Zuínglio e Calvino, em especial, e o preço que esses homens pagaram pra que vivêssemos, hoje, a fé cristã como vivemos. E, entre muitas e muitas coisas, fiquei pensando como é possível que uma pessoa se disponha a fazer o que eles fizeram. Eles eram homens que viviam em épocas totalmente fechadas a críticas, onde a igreja católica romana e o poder papal controlavam tudo, não apenas a vida religiosa, mas também estavam intimamente relacionadas aos poderes políticos, imperiais, sociais. Mas, mesmo assim, estes homens se levantaram contra o maior poder de sua época e o combateram. Lutaram pela Verdade da Palavra em detrimento de suas próprias vidas. Deram tudo que tinham. E eu fiquei pensando de onde vinha toda essa coragem.

E, então, me lembrei de cada pessoa usada por Deus para escrever a história da Sua Igreja no mundo. Os Profetas, Jesus, os Discípulos e Apóstolos, os Mártires, os primeiros Missionários e Evangelistas, os Avivalistas... tudo o que vivemos hoje em nossas igrejas cristãs, devemos a eles (em Deus) e seus sacrifícios.

No entanto, vocês já pararam pra observar e pensar como que essas pessoas que têm escrito a história da Igreja, desde o princípio, foram HOMENS? Noé, Abraão, Moisés, Davi, Isaias, Jeremias, Daniel, Jesus, Paulo, Pedro, João, Lutero, Zuinglio, Agostinho, Jonathan Edwards, John Wesley, e lá vamos nós...

E, de repente, durante minhas meditações sobre as vidas destes homens tão poderosamente usados por Deus para MUDAR A HISTÓRIA DO MUNDO, eu parei. Parei mesmo, e uma única questão explodiu no meu coração:

“Onde estavam as mulheres de Deus durante todo esse tempo?”

E comecei a pensar sobre isso. Pensei na Bíblia. Quão pouco se fala sobre as mulheres piedosas e cristãs da igreja primitiva na Bíblia, especialmente após a morte e ressurreição de Jesus. Onde estava Maria, a mãe de Jesus, onde estava Maria Madalena, Marta e sua irmã Maria, a mulher Samaritana e todas as mulheres que seguiam Jesus? O que houve com elas? O que elas estavam fazendo? Havia tanta coisa acontecendo naquele momento da história da Igreja e nós, simplesmente, não mais ouvimos falar sobre estas, sem dúvida, tão grandes mulheres...

Depois parei e pensei num fato alarmante (pra mim, pra essa reflexão): grande parte, pra não dizer a maioria, destes homens que construíram a história de Deus no mundo era CASADA! Eles eram homens CASADOS! Noé foi casado, Moisés foi casado, Davi foi casado, Pedro foi casado, João foi casado, Lutero, Zuinglio, Calvino, J. Edwards foram casados! E, então, mais uma vez, e de forma ainda mais intensa, meu coração gritou perguntando: “Onde estavam essas mulheres, Senhor?!”

Pare e pense: nós sequer sabemos o NOME da esposa de Noé, de Pedro, de João ou dos demais Apóstolos! Não sabemos quem foram suas MÃES. Dentre todas as mulheres de Deus que houve na história, de quantas nós sabemos os nomes? E, dentre essas cujos nomes são citados, de quantas nós conhecemos as histórias? Se a Bíblia nos fala de um ou outro acontecimento de suas vidas, com algumas poucas exceções, é muito. Até mesmo Maria, a mulher escolhida por Deus para ser a MÃE DO SALVADOR, quão poucas vezes ela é mencionada, ou sua vida cotidiana, ou sua colaboração para a difusão do Evangelho, após, e mesmo durante, a vida ministerial de seu Filho! Nós nem sabemos o que houve com ela depois que Jesus morreu, com raríssimas informações... e quantas outras mães, esposas, auxiliadoras que nunca chegaremos a conhecer? Quantas outras mulheres virtuosas, piedosas e verdadeiramente cristãs...

Eu olhei, e olho, pras vidas destes homens que ficaram tão conhecidos por participarem da Reforma, de novos conceitos e entendimentos para a Fé Cristã, de grandes Avivamentos mundiais, e fico pensando em como esses homens podem ter casado! Que mulheres eram essas?! Eu nem consigo imaginar a grandeza destas mulheres e quanto suas vidas deveriam ser devotadas a Deus! Mas ninguém sabe seus nomes. A maioria de nós nem sabemos que elas existiram nas vidas desses homens. Enquanto seus maridos estavam lá fora revolucionando o mundo... onde estavam essas mulheres?

E eu simplesmente parei. Porque eu sabia onde elas estavam. Meu coração sabia disso. Elas estavam no ANONIMATO, nos “bastidores”, “por trás das cortinas”, lá onde ninguém as podia ver... e era lá que elas estavam lutando pelo Reino! Talvez elas soubessem, ou não, que, um dia, os nomes de seus maridos seriam mundialmente reconhecidos, de geração a geração, mas que seus nomes comumente sequer seriam mencionados. Mas elas estavam lá. Ninguém falou das dores que elas sentiam ao ver seus maridos, ou seus filhos, sendo perseguidos, maltratados, injustiçados e assassinados por defender o Evangelho. Ninguém falou da batalha que elas precisavam lutar todos os dias pra criar seus filhos, pra apoiar seus maridos em suas lutas, pra ser o conforto, o refúgio no meio da guerra. Ninguém falou dos momentos de solidão que elas viveram, do quanto elas sentiram falta da presença ou do afeto de seus esposos, do quanto elas ficaram sós. Mas... elas estavam lá. E essas eram apenas algumas de suas lutas. Seus maridos e filhos estavam lá fora, lutando. E elas estavam lá dentro, mas também lutando.

Li, hoje, pela primeira vez, um texto de Noel Piper, a esposa de John Piper, um dos maiores pregadores cristãos de nosso século. Que grande e admirável homem! Mas quantos dos cristãos que conhecem tão bem os textos de John Piper nunca conheceram a vida de Noel? ... Penso na vida de Liza Fromholz, a esposa do Jeff Fromholz, um grande e admirável homem de Deus no Brasil... quão pouco Liza aparece! Não ouvimos falar sobre ela, não a ouvimos pregar ou escrever grandes reflexões, não vemos suas fotos ou comentários sobre qualquer coisa... E como eu admiro essas mulheres!

E eu fico pensando em quanta sabedoria eu mesma preciso receber de Deus pra aprender a ser assim. Quantas vezes, ao ler todas essas histórias, eu sinto um desejo tão grande de ser como esses HOMENS – quero ir pra frente de batalha, empunhar a espada e lutar ardentemente! Eu quero fazer parte desses “heróis” cujos nomes todo mundo conhece, cujas ações todos estarão vendo e sobre os quais todos se lembrarão! Mas... e se Deus me chamar para ser uma dessas mulheres ANÔNIMAS? Será que eu aceito? Será mesmo que eu quero? Será que, se o chamado de Deus pra mim for este, eu aceito de coração nunca ser reconhecida por ninguém, nunca ter o meu nome lembrado e ser, aos olhos do mundo, apenas uma “sombra do meu esposo”?

Isso não é romântico, não é lindo e maravilhoso como nossos sonhos femininos de esposas super amadas e valorizadas e vistas em todos os aspectos. Mas é real. Houve, na Bíblia, UMA Sara, UMA Raquel, UMA Rebeca, UMA Ester, UMA Rute, UMA Débora. Mas quantas centenas e milhares de grandes mulheres cujas histórias nós jamais conheceremos? Sem dúvida, foram GRANDES mulheres! Mulheres que suportaram toda a dor de ver seus maridos morrendo por amor ao Evangelho de Cristo. As “Mulheres dos Heróis”. Mas elas estavam lá. E não é diferente hoje...

Portanto, eu pergunto a mim mesma, e pergunto a cada uma das Mulheres Virtuosas que o Senhor tem levantado nessa geração: estamos dispostas a sermos as Mulheres ANÔNIMAS da História da Igreja?

Eu quero muito, em Cristo e Sua soberana Graça, aprender com estas mulheres que nunca conheci. Aprender a regozijar-me no silêncio, na sombra, no anonimato, onde ninguém me vê. Aprender a deixar a honra ao herói que o Senhor escolher para que eu apóie e ajude, assim como a Igreja deve deixar toda a honra para Cristo. Mas sei que isso não é fácil. Não, nem um pouco! Não é utópico e romântico como eu costumo imaginar... mas é, sim, sem dúvida, lindo, como foi linda a atitude de Jesus em lavar os pés de seus discípulos e, assim, nos ensinar a servir e não a sermos servidos.

Buscando aprender...

7 comentários:

SOMOS UM MILAGRE disse...

sua mensagem falou muito ao meu coração eu estava fazendo uma pesquisa sobre mulheres na historia da igreja e infelizmente estou tendo um pouco de dificuldade mas Você me fez entender "estamos nos bastidores" Deus abençoei sua vida.

Aline Ramos disse...

É verdade, irmã! Estamos nos bastidores!
Fico feliz que o texto tenha ajudado em sua pesquisa! Precisamos falar mais sobre isso, né?

Se você puder mandar depois os demais resultados que vc encontrou na pesquisa, seria excelente!! Os relatos sobre as mulheres da historia da igreja devem ser fantásticos e de grande ensino pra todas nós, "Mulheres modernas"!

A graça e a paz do Senhor!

Pr Genisvaldo Santos disse...

pz. olha sabias palavras, Deus continui usar vos assim... Pr genisvado santos- Portugal

Pastor Fernando Macedo disse...

Estou simplesmente embasbacado com seu texto, não por subestimar, mas pela forma, e conteudo das palavras aplicadas, do entendimento que pairava sobre tua mente enquanto escrevia estas palavras vindas na sua maioria do seu interior cheiod e dúvidas e curiosidades sobre onde estavam elas!!! Vocês sempre estiveram do lado onde de fato deveriam, estar "aconselhando". Sabia que muitas dessas mulheres eram consultadas pelos seus esposos (reis) governantes ? sabia quantas destas esposas eram carinhosamente reconhecidas ao menos pelo homens coerentes, esposos coerentes que sabiam reconhecer nelas o papel primordial para que eles tivessem a serenidade, paz, tranquilidade, cautela, prudencia para tomar decisões ? querida, amei sua menssagem, estava mesmo procurando algo que acrescentasse conteudo para minha menssagem desta noite para as mulheres (especificamente) e com certeza achei aqui com você. Ao menos eu não deixarei nem que nos bastidores fique o nome de alguem que contribuiu e muito para elaboração do meu sermão para as mulheres nesta noite !Que o Senhor continue te abençoando, te amo em Cristo!
Pastor Fernando Macedo o servo menor

Aline Ramos disse...

Pr Fernando, muito obrigada por suas palavras! Sou grata a Deus que se dispõe a usar esse lugar para ser fonte de Sua benção e verdade nas vidas de Seus filhos ao redor deste mundo! A obra é dEle e não nossa, né?

Sabe, o texto não é um pedido para que valorizem mais essas "mulheres anônimas", porque elas já são valorizadas - por Aquele de quem devemos esperar toda a valorização! Deus tem nos dado uma missão: sermos as auxiliadoras idôneas, e não as chefes. Assim, não tenho dúvida de que há muita honra, alegria e realização neste chamado! Portanto, não acho que, enquanto mulheres, devemos reclamar de não estarmos diante dos holofotes, pois nossos holofotes devem vir do céu, e não da terra!

Muito obrigada novamente! Espero que tenha sido muito útil às mulheres de sua igreja!

Deus continue nos guiando! Paz!

Anônimo disse...

Suas palavras tocaram meu coração... Sempre preguei, fui muito ativa na obra de Deus, enquanto solteira. Agora, estou casada, somos missionários, e meu esposo foi consagrado ao ministério pastoral. Tudo mudou em minha vida, sou feliz no meu casamento, mas no ministério, faço a mesma pergunta, onde estou> suas palavras não são apenas lindas, são a palavra de Deus para muitas mulheres. E, claro que citando a fonte, gostaria de enviar por e-mail a outras pessoas. Deus te abençoe.

Aline Ramos disse...

"Anônimo"

Minha irmã querida! Como fico (imensamente) feliz por essas palavras terem alcançado e falado ao seu coração! Tenho o sonho de viver como missionária com meu futuro esposo e já parei para pensar muitas vezes sobre o quanto isso pode ser (será) difícil. Tenho certeza que o é para MUITAS mulheres. Porém, em todos esses pensamentos, Deus vem me mostrar a beleza de nosso chamado, para o anonimato mesmo, para a discrição, para os bastidores. Há muita beleza nisso - e uma batalha extremamente importante também! SOmos chamadas a sermos as auxiliadores do projeto que Deus der a nossos maridos, e isso fará toda a diferença neste projeto! Há muitos motivos para nos regozijarmos com nosso chamado!

Fique TOTALMENTE à vontade para enviar tanto este como qualquer texto do blog pra quem você quiser, querida! É para a glória de Cristo e a edificação da Igreja! Deus continue a abençoar sua vida!